HỘI AN OU A CIDADE MAIS FOFA DO VIETNAM

O Vietnam tomou um espaço enorme no meu coração. O que eu lembro é de não ter tanta consciência enquanto eu tava lá do quanto eu estava amando as cidades, as paisagens, as pessoas e a comida. Mas até hoje quando me lembro de alguma coisa de lá parece que o amor pelo país aumenta mais um pouquinho.

Viajamos do sul ao norte de ônibus, uma opção ótima pra quem quer viajar de maneira barata e ir visitando as diferentes regiões do país já que, como ele é muito comprido, demora um bom tempo pra chegar de Ho Chi Min até Ha Noi (ou ao contrário), as duas cidades mais importantes do país. Consideramos até a ideia de comprar uma moto pra fazer o trajeto todo mas a logística, o custo e a falta de coragem fez a gente desistir.

Hội An é uma cidade super fofa, no centro do país que rapidamente se tornou a minha queridinha desde que chegamos lá. A cidade é patrimônio mundial da humanidade, tem praia, templos e campos de arroz próximos mas o que a gente fez mesmo foi aproveitar com calminha as ruas fofas e o pôr do sol, comendo rambutam – uma frutinha que lembra lichia, e é uma delícia – tomando cerveja e se apaixonando por cada chapéu que a gente via na cabeça de um vietnamita.

A cidade é famosa por ter muitas lojas de alfaiataria onde você pode mandar fazer uma roupa sob medida que fica pronta em horas. A gente não fez porque mas dizem que super vale a pena, se você tiver sorte. É lindo andar pelas ruas e ver as lojas cheia de tecidos e roupas. A cidade antiga é cortada pelo Rio Thu Bồn e é o lugar mais gostoso de passear, principalmente durante a noite, onde os bares colocam mesinhas pra fora e você fica vendo os barquinhos passando e o movimento.

Pra mim, mesmo adorando cidades grandes super movimentadas e cheia de coisas pra fazer, o charme dessas cidades menores é que o tempo parece passar mais devagar e o ritmo do dia fica leve leve…

Continue Reading

OI, VOLTEI

 

Já faz tempo que ensaio voltar a escrever e postar fotos por aqui. Mas a procrastinação fala mais alto e um monte de coisas eram mais importantes no momento. A verdade é que eu acredito que se tem algumas vontades que ficam reaparecendo é melhor deixar acontecer e colocar em prática os planos que ficam só nas ideias.

Mas o Pelas Nuvens volta diferente. O blog já não é mais sobre a viagem de Volta ao Mundo (até porque ela já acabou) e já volta sem o Danilo – que no fundo nem tem muita vontade de se comunicar por aqui. Voltei sozinha e com vontade de falar sobre tudo um pouco. Não tem como não falar sobre viagens, afinal são elas que movimentam – em todos os sentidos – meus planos e rumos. Mas também quero compartilhar coisas bonitas, um pouco mais da minha vida e das pequenas coisas que me inspiram.

Depois da viagem voltei a morar em Curitiba por uns meses mas a vontade de experimentar outro lugar falou mais forte de novo e escolhi pra chamar de casa o Porto, em Portugal, essa cidade fofa cheia de lugares pra descobrir.

Não sei bem onde quero chegar mas voltei com vontade de compartilhar e mostrar um pouquinho mais das coisas que me fazem sorrir. Eu espero que você goste e compartilhe também o que te faz bem. Então senta, pega um chá, um café, apareça aqui de vez em quando e vamos conversar.

pelasnuvens-5092

 

Continue Reading

A NOSSA VOLTA AO MUNDO

Uma coisa legal sobre viagens é que elas não têm regra nenhuma. Talvez o que voltas ao mundo têm em comum, normalmente porque nem isso é uma regra, é que elas duram mais do que férias convencionais.

Se você procurar rapidinho ‘viagens de longa duração’ vai encontrar um monte delas: tem sozinho, tem de casal, tem a família toda, tem gente que vai de carro, de bicicleta, de cadeira de rodas, de barco, de van, tem quem acampa, quem faz voluntariado, quem trabalha enquanto viaja, ou estuda, tem gente que casa no caminho, que tem até filho na estrada, e assim vai.

A nossa volta ao mundo não é dessas super planejadas. a gente não tinha um roteiro, não passamos muito tempo guardando dinheiro e nem tínhamos um objetivo muito definido. Resolvemos um dia que a gente ia e desse momento até pegar o avião o tempo foi curto, foram menos de 3 meses.

Tínhamos algumas vontades, uns países que queríamos visitar, e um orçamento apertado. A Ásia foi nosso ponto de partida principalmente porque os países são baratos e os dois, que já tínhamos estado lá, queríamos muito voltar. A partir disso procuramos passagens e acabamos encontrando uma muito barata pra China numa data que fazia muito sentido.

O que a gente já adorou é que pra chegar em Shanghai tínhamos uma escala no México e dali iríamos pelo Oceano Pacifico. Então, não importava o caminho que fizéssemos pra voltar ao brasil, a volta ao mundo já estava garantida.

Com o tempo viajando fomos percebendo que a gente gosta de viajar devagar. não gostamos de ter dias super cheios e planejados, não queremos correr só pra visitar mais países. Fomos percebendo que conhecer pessoas e fazer amigos é a coisa mais bonita do caminho, nossas cidades preferidas e experiências mais legais normalmente têm a ver com o quanto nos relacionamos nela. Vimos que ter tempo é um privilégio e que o ritmo lento de vida dos asiáticos é inspirador. E descobrimos que tendo esse tempo a gente pode se descobrir melhor.

A gente também acreditava lá no começo, e só reforçamos essa ideia, de que uma viagem longa não é pra todo mundo. Não é uma vontade que todo mundo tem. Não é um estilo de vida que todo mundo quer. Tem gente que prefere a estabilidade, tem gente que gosta disso por um tempo e tem gente que vive assim por muitos anos. Pra gente tem sido incrível. Nos sentimos extremamente felizes e muito realizados de poder ver o mundo dessa forma. E fazemos questão de verificar isso sempre: ‘Tá feliz?! Tá aproveitando? Então tá bom!’.

Vamos vendo que hoje vivemos com pouco – com bem menos do que enquanto estávamos em Curitiba. Hoje temos menos roupas – menos maquiagem e cremes -, menos dinheiro e menos conforto também. Mas vivemos mais histórias e descobrimos mais coisas, e isso tem sido muito maior.

A gente não tinha muitos planos e continuamos não tendo mas, enquanto a viagem estiver fazendo sentido, estamos completamente felizes.

Continue Reading