AS MURALHAS DE PINGYAO

Pingyao é uma cidade que fica entre Beijing e Xi’An e resolvemos parar por lá já que era só descer em uma estação de trem no nosso caminho e porque ela promete ser super interessante.

pingyao-0843

As muralhas ao redor do centro antigo, do século XX, são bem preservadas até hoje então existe a cidade dentro e fora das muralhas. A de dentro é uma gracinha, com ruas de paralelepípedo e templos bem cuidados. Como não se pode entrar de carro ou veículos maiores e em algumas aras nem de moto ela é bem tranquila.

Já a cidade de fora é feia, suja e desorganizada. É muito estranho ver a diferença enorme entre elas.

Para visitar os pontos turísticos é necessário comprar um ticket que vale por alguns dias. Como o preço era alto e a gente andava um pouco cansado de templos não compramos e ficamos só andando pelas ruelas. Foi por elas que encontramos uma das pessoas mais peculiares do nosso caminho: ele tem uma pequena loja de música e livros só de artistas ocidentais. Um universo tão diferente pra eles que faz da lojinha ser um lugar bem especial.

pingyao-0894

A experiência da pousada que ficamos foi super peculiar. Era praticamente uma casa local, com banheiro aberto impossível de ir e sem muita estrutura. Apesar da simplicidade a família era muito querida e nos acolheu muito bem. Foram dias conversando apenas por gestos e pelo tradutor, mas com tanta boa vontade e carinho que faz qualquer viagem ficar mais bonita.

Mas se você perguntar se é uma cidade imperdível na China? A gente diria que não, o clima da cidadezinha é feito só pra turistas – o que não é muito raro em alguns pontos turísticos do país – mas você vai preferir mais verdade num país que é tão incrível.

pingyao-6866

Continue Reading

OS SORRISOS EM SIEM REAP

Siem Reap é muito visitada e conhecida por ser a cidade base de visita pro complexo de templo Angkor. Passamos, pra variar, mais tempo do que imaginamos por lá, mas não tinha como ser diferente numa cidade que nos encontrou com os mais abertos sorrisos.

O passeio nos templos é cansativo, vamos contar só sobre eles num outro post. Se você tem tempo é bacana pegar o ticket de pelo menos três dias pra ver com calma e visitar mais ruínas, elas são muitas e é difícil escolher as mais bonitas. Pode ser ainda mais exaustivo se você fizer como a gente e ao invés de ir de tuktuk for de bicicleta. Pedalamos, pelo menos, 40km por dia mas valeu a pena, aproveitamos pra intercalar com dias tranquilos na cidade.

siemreap-4066

Várias feiras e ruas só pra pedestres – sempre considere bicicleta e motos pedestres no Sudeste Asiático – ficam abertas até tarde da noite, uma se unindo com a outra fazendo com que o centro de Siem Reap pareça uma grande feira noturna. Comemos comidas deliciosas nas barracas de rua mais movimentadas – a beringela assada com alho foi pedida duas vezes e será repetida nos churrascos na casa do meu pai – e pra quem quer comprar lembrancinhas é um ótimo lugar pra pechinchar e encontrar coisas bem diferentes. Se você caminha em ruas próximas encontra bonitas lojas com produtos artesanais mais únicos e muita arte local. Uma iniciativa que eu gostei bastante é a Angkor Recycled que produz bolsas a partir de embalagens usadas, especialmente de construção civil e produtos agrícolas. Quem fabrica são os locais que normalmente vivem em condições super pobres e ajudam a diminuir o lixo do país, que é também um enorme problema.  

siemreap-3234

siemreap-4015

A cidade é cheia de bonitas iniciativas para ajudar o povo local e relembrar a triste história do Camboja. Tem museus dedicados às minas terrestres abandonadas depois da guerra civil e massacre do Khmer Rouge, tem concerto clássico onde as doações são direcionadas às crianças carentes, tem restaurante que ajuda os jovens a ter esperança profissional. É comum encontrar crianças vendendo livros na rua e pessoas que perderam algum membro ou que foram severamente feridas vendendo alguma coisa. Uma cidade pra te encher de esperança e te emocionar muitas vezes.

siemreap-3226

Siem Reap nos emocionou, fomos recebidos por muitos sorrisos e pessoas que tinham alguma coisa pra contar, ou só queriam dar um oi. A gente sabe que vai se lembrar muito de lá por causa das pessoas, dos templos, das andanças na cidade, da minha desatrapalhada pisada num palito que me levou ao hospital e da incrível estreia do Star Wars XVII.

Continue Reading

O MARROM DE LUANG PRABANG

Luang Prabang é um das cidades turísticas mais movimentadas do Laos. Um lugar bonitinho, com resquícios da arquitetura e da comida francesa, já que o país foi colônia no século XIX e XX. Cruzam por ela dois rios importantes: o Mekong e o Nam Khan. A cor dos rios dá ainda mais personalidade pra cidade que tem, também, as ruas marrons, como se a poeira e o barro dominassem todos as superfícies.

Chegamos em clima de festa, já contamos aqui, e nossos dias foram diferentes por conta disso.

A cidade comemorava 20 anos do título de Patrimônio Cultural da Unesco. Na praça central aconteceram algumas apresentações típicas, teve caravana de elefantes e vimos até o presidente no encerramento.

Ao mesmo tempo acontecia o festival de cinema que a gente aproveitou bastante. Vimos filmes da Malásia, Camboja e do Laos. Fizemos alguns workshops e conhecemos pessoas com trabalhos bem diferentes, gente que trabalha muito pra fomentar a cultura local no Sudeste Asiático. Numa conversa com um dos organizadores do Festival percebemos a importância de um evento como esse. O povo do Laos não vai ao cinema. Em todo o país, em seu auge, existiram só 17 cinemas espalhados nas maiores cidades. Então ver um filme representando o próprio povo, com histórias atuais, na língua local, em tela grande e de graça é incrível, é super divertido. Foi bem importante pra gente poder presenciar isso.

Apesar de não termos idos em todos os templos e pontos turísticos mais famosos andamos muito pela cidade. E esse é sempre nosso programa preferido.

A rua principal, onde ficam muitos tuktuks e barracas de sanduíches, vira uma grande feira de rua todas as noites. Os vendedores espalham seus produtos no chão e é preciso tomar cuidado por onde anda. O que mais nos chamou atenção foram braceletes, talheres e abridores de lata feito com as bombas que foram jogadas no país. O Laos é o país mais bombardeado per capta do mundo!

Cruzamos o rio Mekong pra conhecer uma vila de uma tribo local. Onde vimos mulheres produzindo um papel artesanal lindíssimo, com folhas e flores. Um processo demorado e manual, cada uma delas numa atividade diferente. Riam e conversavam, trabalhando tranquilamente. Mais pra frente outra mulher fazendo um tear com infinitos fios. Também muito calmamente, enquanto ria conversando com a mãe que cuidava das crianças.

Tem lugar que o tempo passa de um jeito diferente.

 

Continue Reading

PELAS RUAS DE BANGKOK

Demoramos 3 meses pra chegar à cidade que começaríamos a viagem. Dia 10 de novembro pousamos em Bangkok, capital da Tailândia e uma das mais importantes e malucas cidades do sudeste asiático. A gente vinha de uma temporada de cidades mais pequenas e tranquilas, praias paradisíacas e floresta. E ficamos super felizes! A gente gosta do caos, da mistura e dos barulhos que uma metrópole traz. A gente gosta de ver tudo junto ao mesmo tempo, de pessoas nas ruas, templos, feiras enormes.

Aqui na Ásia a infra-estrutura das cidades sempre nos surpreende. Pra se locomover por lá não faltam opções: você pode andar que as ruas são super interessantes e amigáveis, tem ônibus, tem metrô, tem trem, tem muitos táxis e tuk-tuks, e tem barco – o nosso preferido por ser um sistema público, super prático e barato, aproveitando o rio que cruza a cidade. Então passear por Bangkok é uma delícia e pode ser sempre de um jeito diferente.

Fizemos couchsurfing em um hostel e pela primeira vez dormimos em dormitório, ou seja, muitos beliches e muitas pessoas. Claro que não é sempre uma delícia, principalmente porque dá vontade de ter mais privacidade e porque o banheiro compartilhado não é nunca o melhor amigo de um viajante. Mas a experiência valeu, nessas horas dá pra reforçar a ideia de que viaja sozinho quem quer! Fizemos um monte de amigos, todo dia tinha companhia diferente pra passear. Dividimos muita experiência diferente de quem está na estrada por muito ou pouco tempo.

Andamos por muitas feiras diferentes. Elas estão espalhadas por toda a cidade e as vezes você nem precisa ir atrás. De repente você está numa rua cheia de barraquinhas de roupa, fruta, suco, comida, sapato, eletrônicos, acessórios, costureira, sapateiro, consertos, livros, bugiganga, o que se conseguir imaginar. Uma das feiras que eu adorei foi a das flores. Os tailandeses usam muitas flores naturais todos os dias – especialmente porque as oferendas budistas são cheias delas e são feitas diariamente, as vezes mais de uma ver por dia. Então a feira é linda, colorida e cheirosa.

Templo também é o que não falta, as estimativas são absurdas – dizem que existem mais de 30.000 templos budistas na Tailândia toda e mais de 1.000, pelo menos, na capital. Gostamos muito do Wat Po, um complexo de espaços sagrados na região central. Um lugar super agradável pra passar algumas horas desconectado do caos pra fora dos muros. Ficamos um bom tempo ouvindo os monges recitarem mantras em um dos templos. Uma sensação indescritível.

Alguns mercados flutuantes estão espalhados pela cidade e o maior deles fica há alguns km para o norte. Não fomos nesse porque dizem ser super turístico mas confesso que me arrependi. Tem alguns passeios que de tanta informação e fotos que vemos ficamos com uma expectativa alta e o mercado que escolhemos era tão pequeno que não empolgou tanto quanto imaginei. Mesmo assim a experiência foi legal, é no barco que ficam as cozinhas e não dá pra acreditar no equilíbrio e estômago que os cozinheiros tem.

A Kao San Road é tão maluca quanto mostram os filmes, se você viu ‘Se Beber Não Case 2’ consegue imaginar. Ela funciona 24h por dia, é cheia de bar e estrangeiro bêbado, dá pra comprar sem pudores documentos falsificados, braceletes com frases ridículas, dá pra fazer tatuagem, comprar roupas e lembrancinhas, e ficar zonzo com tantos letreiros e barulho ao redor. Uma experiência tanto curiosa quanto desnecessária.

Bangkok é tanta coisa ao mesmo tempo que dá pra entender porque tanta gente ama e tanta gente não suporta. A gente gostou, pelo menos por um tempinho.

Continue Reading

15 COISAS PRA SE FAZER EM BEIJING

Beijing entrou rapidinho pra uma das cidades que mais adoramos. E não tinha como ser diferente já que ela reúne várias coisas que a gente adora: carrega muita história e ao mesmo tempo é bastante moderna, tem muita coisa pra fazer mas é cheia de lugares pra relaxar e esquecer da metrópole congestionada ao redor, é cheia de pessoas receptivas e coisas diferentes para todo lugar que você olha.

A gente tentou deixar a lista menor mas era tanta coisas que escolhemos quinze coisas que mais adoramos fazer e recomendamos que você encontre um tempinho quando tiver por lá:

ANDAR SEM RUMO PELOS HUTONGS

Os hutongs são ruas estreitas que começaram a surgir 1000 A.C na área central da cidade. Até hoje a maior parte das construções são residenciais mas ali também ficam hostels, restaurantes, mercados e lojas. É triste ver que muitos estão sendo demolidos para dar espaço para grandes construções ou ruas mais largas, mas ainda é possível encontrar várias vielas dessas pela cidade.

Andar por eles sem saber muito bem onde vai chegar é com certeza um passeio cheio de surpresas e uma maneira de entrar em contato com a história da China e da vida dos chineses que moram por ali. Os muros de tijolo cinza, os pátios internos das casas, as pessoas cozinhando, andando, conversando com os vizinhos, tudo tão apertadinho deixa a gente com a impressão de que está num vilarejo e não numa cidade tão enorme.

SE PERDER NA CIDADE PROIBIDA

A cidade proibida foi o Palácio Imperial da China, começou a ser construída no início do século XV, e é o maior palácio do mundo. Uma cidade real dentro da capital destinada para o Imperador. Apenas sua família e alguns empregados tinham permissão de estar ali, por isso era dita proibida.

A gente passou praticamente o dia todo andando por lá. O caminho principal é feito do sul, desde a Praça da Paz Celestial, até o norte, onde fica o Parque Jingshan que tem uma linda vista do complexo, pelos palácios e espaços mais importantes e nas laterais várias construções que serviam de suporte.

VIRAR CRITICO DE ARTE NO DISTRITO  DE ARTE 978

Até os anos 50 a região era uma concentração de fábricas militares. Elas foram fechando com o tempo e os grandes galpões abandonados hoje acolhem escolas de arte, galerias, empresas, lojas e cafés. Uma área cheia de atividades diferentes pra fazer. São tantas espaços que não tem como não encontrar alguma coisa que faça sentido pra você. A gente recomenda que você escolha algumas pra entrar e apreciar arte contemporânea.

PASSAR HORAS CAMINHANDO NA MURALHA DA CHINA

A gente já falou sobre esse passeio aqui. Faz parte daqueles passeios emocionantes e inacreditáveis que desde pequeno muita gente sonha em fazer.

APERTAR TODAS AS CRIANÇAS

Não dá pra resistir. As crianças chinesas são sempre bonitinhas e queridas, dá vontade de apertar todas elas e a gente recomenda que você aperte todas as que conseguir.

TER LONGAS CONVERSAS EM CHINES, MESMO SEM FALAR UMA PALAVRA

O povo chinês é muito acolhedor. Não falamos a mesma língua, nossa cultura é muito diferente e a gente pouco sabe da história deles mas a empatia é quase que imediata. Conversamos muito com eles sem trocar uma só palavra na mesma língua e mesmo assim tinhamos a sensação de que tivemos um ótimo encontro.

VER OS VELHINHOS JOGANDO MAJONG NAS RUAS

O tempo na China passa de uma maneira diferente, mesmo no meio de tanta confusão sempre existem velhinhos com tempo disponível para mostrar pra gente que a vida com calma é muito mais bonita.

CONHECER OS QUATRO CANTOS DA PRAÇA DA PAZ CELESTIAL

A Praça da Paz Celestial é a terceira maior praça do mundo, foi nela que ocorreu o famoso massacre contra os estudantes chineses, apesar de não haver nenhuma menção ao fato no local. Fica lá o Mausoléu com o corpo do Mao TséTung embalsamado, o monumento dos heróis e ao redor enormes construções como o Museu Nacional e a Cidade Proibida. Cada canto dela vale a pena, as construções são realmente impressionantes.

ESCOLHER UM PARQUE PRA PASSAR O DIA

Não faltam opções na hora de escolher um parque em Beijing. Pode ser o Palácio de Verão, o Templo do Céu – nosso preferido, ou que estiver no seu caminho. O interessante é que em todos eles você encontra um palácio importante, um templo antigo ou uma construção bonita. E, acredite, você nunca estará sozinho. A população de Pequim aproveita de verdade as praças e parques, pra conversar, tocar instrumentos ou praticar uma atividade física.

COMER UM BOM PATO DE PEQUIM

O prato mais famosos da cidade é também o preferido de muita gente. O pato é cortado em fatias bem finas e servido com um molho agridoce, legumes e uma espécie de panqueca de arroz. Pra comer acompanhado de chá verde ou água quente, claro.

ENTRAR E COMER NUM RESTAURANTE SEM MENU INGLES OU FOTO

Comer é sempre um desafio na China e a gente acaba se acostumando com os restaurantes que têm foto ou uma tentativa de tradução em inglês. Mesmo sem ter muita certeza a gente vê uma foto que gosta, aponta e tudo certo.

O desafio mesmo é entrar em restaurantes mais locais e conseguir pedir um prato. Uma aventura que pode dar muito certo ou muito errado! A gente te deseja boa sorte.

ESCOLHER UM TEMPLO PRA ACENDER INCENSOS

A devoção dos chineses está em todo canto nos templos espalhados pela cidade. A gente adora apreciar a religião e as cerimônias locais então sempre que podemos acendemos os três incensos para Buda.

JOGAR PETECA COM UM GRUPO DE CHINESES

É muito comum ver chineses se exercitando e o que a gente mais gostava de ver eram eles jogando peteca com os pés. A habilidade deles é incrível e mesmo sendo brasileiro com alguma prática na embaixadinha acho que eles saem ganhando.

FAZER AMIGOS QUE TE LEVEM COMER

Fizemos um grupo de amigos super incrível no apartamento que estávamos. Tinha chineses de vários lugares e não tem indicação melhor pra comer do que um local. Além de serem extremamente generosos e nunca deixarem a gente pagar, mesmo quando era esse o combinado, foi com eles que comemos os melhores pratos. O ideal é confiar e não ficar querendo entender muito o que se está comendo. Ah, e estar disposto pra aguentar a pimenta.

TOMAR TODAS COM UM GRUPO DE CHINESES

Ter feito amigos chineses foi incrível. A noite fica ainda mais divertida porque eles mal aguentam bebida alcoólica e com um pouquinho de cerveja eles já estão vermelhos e deixam a timidez pra trás.

E você, já fez outra coisa imperdível por lá ou morre de vontade de fazer quando for?

Continue Reading

OS MACACOS DE BATU CAVES (18/09/15)

Fomos para Batu Caves na expectativa de encontrar um lugar lindo que nos trouxesse uma sensação muito boa, com cavernas escuras e muitos degraus para subir e descer. Foi exatamente o que encontramos.Passamos algumas horas andando por ali. Lugares tão sagrados quanto esse tem algo de especial que nos interessam muito.

É super fácil, barato e rápido de chegar nos templos do centro de Kuala Lumpur, um trem sai da KL Sentral por menos de RM4 (dá pra considerar R$4=RM4).

Essa estátua enorme é do Deus Murugan, ela tem 43m e é mais alta que o Cristo Redentor. São 272 degraus que levam a uma grande caverna e templos. Para entrar na caverna principal não é preciso pagar nada.

Os macacos quase fazem parte da atração. Eles já estão tão acostumados com as pessoas que não se intimidam na hora de atacar para ver o que tem em sacolas, bolsas e mochilas atrás de comida e se você se distrair eles roubam seu sorvete!

Continue Reading

A MISTURINHA DE KUALA LUMPUR (17/09/15 – 23/09/15)

A Malásia não estava no nossos planos. Como a China nos negou o visto sem passagem de saída tivemos que encontrar um vôo que comprovasse nossa saída do país e Kuala Lumpur foi o mais barato que encontramos. A gente tinha certeza que seria só uma passagem. A ideia era ir em direção norte, até encontrar a Tailândia. No fim das contas hoje a gente prevê que vai ficar pelo menos um mês por aqui.

Na Malásia todo jovem, e muito adulto ou velhinho, fala inglês. Eles dizem que são tão pequenos no mundo que se não souberem falar inglês vão estar sozinhos então desde a escola falar inglês é obrigatório. Isso já resolveu nosso problema de comunicação, depois de um mês na China com conversas eventuais, já que não encontramos tantos chineses com quem conseguíssemos conversar, aqui dá pra puxar assunto com qualquer vendedor ou quem senta do nosso lado no metrô.

A mistura cultural é óbvia. O país é composto de Malaios, Chineses, Indianos e minorias étnicas, basicamente. Pra gente ainda é estranho compreender a separação que eles fazem já que eles se enxergam como povos diferentes dividindo um mesmo país. Não é igual no Brasil que todo mundo tem avós e bisavós que vem de lugares diferentes do mundo mas a gente ainda se vê como brasileiro. Aqui as tradições, os restaurantes e até as escolas são separados. Então eles acabam se segregando um dos outros. Tivemos boas experiências podendo experimentar um pouco de cada dos mundos.

A comida é incrível. Ainda podemos aproveitar um pouquinho da comida chinesa mas o que a gente ama mesmo é a comida indiana. E por menos de RM5 (dá pra considerar hoje a cotação RM1 = R$1) você almoça bem feliz.

Em Kuala Lumpur ficamos no apartamento do Jordan, que encontramos no couchsurfing. No meio de muitos perfis com mais de cem recomendações positivas acabando gostando dele e fomos os primeiros a se hospedar lá. A princípio ficaríamos duas ou três noites mas elas foram se esticando. Fizemos amigos muito bacanas, estávamos num condomínio com piscina e academia, encontramos cerveja e comida barata perto da gente. Não tinha como ir embora tão cedo.

A cidade não é cheia de atrações turísticas e, apesar de contar com um trem fácil que leva pra pontos importantes, tivemos a impressão de que sem carro não se vai muito longe. Numa tentativa furada de se perder pelos bairros chineses e indianos da cidade andamos por viadutos e vias rápidas nada amigáveis para quem está a pé. Mas sempre encontramos algumas coisas para fazer e não tem como não se impressionar com as Petronas Twin Towers, os prédios gêmeos da companhia de petróleo e gás, dois dos mais altos do mundo.

A maioria da população é muçulmana mas não é difícil ver templos budistas e hindus e até igrejas. Muitas mesquitas estão espalhadas pela cidade e o Museu das Artes Islâmicas é lindo e super informativo, desses lugares que podemos ficar horas sem ver o tempo passar. Convivendo com eles a gente compreende melhor o porque das mulheres estarem cobertas, porque eles não bebem ou não comem carne de porco, por exemplo. Um mundo de tradições muito diferente do nosso.

Continue Reading