NOSSO PARAISO NA INDONESIA

Gili foi nosso paraíso. Foi lá que vimos as praias mais lindas e tivemos uma das experiências mais deliciosamente incríveis da viagem.

gili-8694

São três ilhas, Gili Trawangan, Gili Air e Gili Meno, bem pequenas entre a ilha de Bali e de Lombok, na Indonésia. A maior delas, Gili T., tem 2km x 1km e foi nela que ficamos hospedados.

Achamos a ilha bem democrática. Se você quer luxo, tem hotel de luxo. Se quer fervo, tem vários bares e ofertas de cogumelos mágicos. Da pra fazer snorkel e mergulho em todas as partes das ilhas. Se quer sossego, não precisa nem se esforçar.

O mar azul ainda desperta saudades na gente. Nenhum de nós nunca tinha conhecido praias tão lindas e paradisíacas e a sensação que fica é de que o mundo é mesmo muito lindo. E que nós, definitivamente, somos fãs de praia e sol.

gili-1742

gili-1623

Já chegamos super bem hospedados porque meus pais e o Dan fizeram uma surpresa pra mim de aniversário. Passamos uma noite num hotel super bacana. Pra dois viajantes com pouco luxo não tinha presente melhor. Aproveitamos os drinks de bem-vindos, a piscina, a cama maravilhosa. Nos outros dias voltamos pras nossas humildes acomodações e aproveitamos muito cada minuto por lá.

A água é tão azul e clara que é possível fazer snorkel bem pertinho da areia, alugamos óculos e passamos um dia todo vendo os peixinhos. Se pra mim isso já era novidade, eu nunca tinha visto nada parecido antes, o dia seguinte foi ainda mais incrível.

Passeamos de barco pelas três ilhas para ver os peixes e as tartarugas em locais específicos. Não dava pra acreditar. Eu me senti no ‘Procurando Nemo’ e o Dan se espantou com as linhas habilidades aquáticas que nem eu mesma sabia que tinha.

Quando chegamos na região onde fica um barco naufragado e vimos mergulhadores lá no fundo nao tivemos dúvidas: faríamos o mesmo no dia seguinte.

O Dan já tinha feito o curso todo no Brasil, e adora. Ele me ensinou várias coisas, além de me deixar mais tranquila. A ilha é famosa pra pratica de scuba diving e por isso eles combinam um mesmo preço pra não haver
concorrência desleal, então só escolhemos a escola que gostamos mais.

Nos levaram pro ‘Paraíso das Tartarugas’ e a gente não poderia ter escolhido lugar melhor. Quando eu lembro o tamanho das tartarugas verdes que vimos eu ainda não acredito que estivemos lá. Éramos pequenos do lado daquela coisa tão bonitinha e tranquila. Deu também pra ver vários outros peixes e crustáceos, lindos corais e animais diferentes.

Eu que nunca tinha pensado em mergulhar, não vejo a hora de ir de novo.

gili-1864     gili-1263

 

Continue Reading

VEM, 2016

Passamos nossa virada de ano em Ho Chi Minh, no Vietnã. Achamos que a cidade nem estaria muito animada mas foi ótimo, as ruas estavam cheias e muitos fogos de artifício coloriram o céu meia noite. Depois ainda entramos de penetra numa festa chiquérrima, com direito a champanhe e cerveja a noite toda e uma banda incrível que nos adorou e ganhou até presente da gente.

Tem coisa melhor do que começar um novo ano assim?

Um 2016 incrível pra todo mundo. Cheio de descobertas e sonhos realizados.

Continue Reading

SOBRE ESTAR ABERTO A SURPRESAS

Antes dessa viagem, especialmente em viagens curtas, eu sempre fiz mapas e roteiros. Organizava o que queria ver e fazer pelas regiões de cada cidade, assim os passeios faziam mais sentidos e não deixava quase nada pra trás. Claro que sempre tinha espaço pro desconhecido, pros passeios sem rumo. Mas a minha lógica era que estando pouco tempo num lugar que tem muito pra me oferecer eu precisava ser certeira e eficiente. Tenho essa mania de organização e nas viagens não tinha porque ser diferente.

Assim que a começamos a viajar juntos temos um ritmo diferente. Sem pressa a gente descobre os melhores lugares da maneira que a gente mais gosta, que mais tem a ver com a gente. Desde o começo planejamos muito pouco, mas muito pouco mesmo. Não ficamos procurando as melhores épocas para estar em cada lugar, as vezes fazemos caminho que não fazem tanto sentido e é difícil quando temos certeza do nosso próximo destino.

Alguns vão dizer que planejamento é fator decisivo pra uma viagem como essas. Pra gente, não é. Então funciona assim também. Hoje a gente não vasculha tudo sobre o próximo destino, nem muitas fotos mais a gente vê da próxima cidade.

A verdade é que isso não é uma maravilha. Sabemos que as vezes pagamos passagens de avião mais caras do que deveríamos ou que não vamos conseguir ninguém no couchsurfing pra nos hospedar amanhã. Mas a gente tem se divertido com a sorte / acaso / coincidência.

Chegamos em Luang Prabang, cidade do Laos, faz dois dias. A vinda foi difícil, foram muitas horas num micro-ônibus a 30km/h, onde nem as minhas pernas cabiam de tão apertado. A estrada não tem asfalto e a quantidade de curvas se aproxima ao infinito. Quando chegamos, sem lugar pra ficar porque as vezes nem isso a gente planeja, encontramos pousadas cheias e hotéis caros. Demorou encontrar um lugar que a gente pudesse pagar e, como já era tarde, tomamos banho gelado porque ninguém mais conseguia nos ajudar.

Poderia ser uma tragédia se não fosse a comemoração de 20 anos que a cidade foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Então chegamos numa cidadezinha super bonita e que parece que parou no tempo cheia de coisas pra fazer. Desde que estamos aqui já vimos vários filmes produzidos no sudeste asiático, já fui numa conversa com um americano que tem um projeto fotográfico com cinemas de rua super parecido com minhas pesquisas, já fomos em workshop de produção cinematográfica e em algumas performances sem graça. Amanhã nos esperam 20 elefantes que acabaram de chegar de uma caravana pra preservação da espécie. E nada disso estava nos nossos planos.

Deixar de pesquisar sobre todos os detalhes do próximo destino, além de me deixar mais relaxada, me faz encontrar o desconhecido, me faz ver pela primeira vez os lugares que visito. Pode ser uma cidadezinha nova perto de onde você está, um restaurante que um local diz pra você ir ou a comida que ele sugere você comer, pode ser aquela fruta que você não faz ideia do que é, aquela portinha que você ficou curioso e entrou. Deixar espaço para as surpresas durante uma viagem pode sempre trazer experiências divertidas.

Continue Reading