OS SORRISOS EM SIEM REAP

Siem Reap é muito visitada e conhecida por ser a cidade base de visita pro complexo de templo Angkor. Passamos, pra variar, mais tempo do que imaginamos por lá, mas não tinha como ser diferente numa cidade que nos encontrou com os mais abertos sorrisos.

O passeio nos templos é cansativo, vamos contar só sobre eles num outro post. Se você tem tempo é bacana pegar o ticket de pelo menos três dias pra ver com calma e visitar mais ruínas, elas são muitas e é difícil escolher as mais bonitas. Pode ser ainda mais exaustivo se você fizer como a gente e ao invés de ir de tuktuk for de bicicleta. Pedalamos, pelo menos, 40km por dia mas valeu a pena, aproveitamos pra intercalar com dias tranquilos na cidade.

siemreap-4066

Várias feiras e ruas só pra pedestres – sempre considere bicicleta e motos pedestres no Sudeste Asiático – ficam abertas até tarde da noite, uma se unindo com a outra fazendo com que o centro de Siem Reap pareça uma grande feira noturna. Comemos comidas deliciosas nas barracas de rua mais movimentadas – a beringela assada com alho foi pedida duas vezes e será repetida nos churrascos na casa do meu pai – e pra quem quer comprar lembrancinhas é um ótimo lugar pra pechinchar e encontrar coisas bem diferentes. Se você caminha em ruas próximas encontra bonitas lojas com produtos artesanais mais únicos e muita arte local. Uma iniciativa que eu gostei bastante é a Angkor Recycled que produz bolsas a partir de embalagens usadas, especialmente de construção civil e produtos agrícolas. Quem fabrica são os locais que normalmente vivem em condições super pobres e ajudam a diminuir o lixo do país, que é também um enorme problema.  

siemreap-3234

siemreap-4015

A cidade é cheia de bonitas iniciativas para ajudar o povo local e relembrar a triste história do Camboja. Tem museus dedicados às minas terrestres abandonadas depois da guerra civil e massacre do Khmer Rouge, tem concerto clássico onde as doações são direcionadas às crianças carentes, tem restaurante que ajuda os jovens a ter esperança profissional. É comum encontrar crianças vendendo livros na rua e pessoas que perderam algum membro ou que foram severamente feridas vendendo alguma coisa. Uma cidade pra te encher de esperança e te emocionar muitas vezes.

siemreap-3226

Siem Reap nos emocionou, fomos recebidos por muitos sorrisos e pessoas que tinham alguma coisa pra contar, ou só queriam dar um oi. A gente sabe que vai se lembrar muito de lá por causa das pessoas, dos templos, das andanças na cidade, da minha desatrapalhada pisada num palito que me levou ao hospital e da incrível estreia do Star Wars XVII.

Continue Reading

PELAS RUAS DE BANGKOK

Demoramos 3 meses pra chegar à cidade que começaríamos a viagem. Dia 10 de novembro pousamos em Bangkok, capital da Tailândia e uma das mais importantes e malucas cidades do sudeste asiático. A gente vinha de uma temporada de cidades mais pequenas e tranquilas, praias paradisíacas e floresta. E ficamos super felizes! A gente gosta do caos, da mistura e dos barulhos que uma metrópole traz. A gente gosta de ver tudo junto ao mesmo tempo, de pessoas nas ruas, templos, feiras enormes.

Aqui na Ásia a infra-estrutura das cidades sempre nos surpreende. Pra se locomover por lá não faltam opções: você pode andar que as ruas são super interessantes e amigáveis, tem ônibus, tem metrô, tem trem, tem muitos táxis e tuk-tuks, e tem barco – o nosso preferido por ser um sistema público, super prático e barato, aproveitando o rio que cruza a cidade. Então passear por Bangkok é uma delícia e pode ser sempre de um jeito diferente.

Fizemos couchsurfing em um hostel e pela primeira vez dormimos em dormitório, ou seja, muitos beliches e muitas pessoas. Claro que não é sempre uma delícia, principalmente porque dá vontade de ter mais privacidade e porque o banheiro compartilhado não é nunca o melhor amigo de um viajante. Mas a experiência valeu, nessas horas dá pra reforçar a ideia de que viaja sozinho quem quer! Fizemos um monte de amigos, todo dia tinha companhia diferente pra passear. Dividimos muita experiência diferente de quem está na estrada por muito ou pouco tempo.

Andamos por muitas feiras diferentes. Elas estão espalhadas por toda a cidade e as vezes você nem precisa ir atrás. De repente você está numa rua cheia de barraquinhas de roupa, fruta, suco, comida, sapato, eletrônicos, acessórios, costureira, sapateiro, consertos, livros, bugiganga, o que se conseguir imaginar. Uma das feiras que eu adorei foi a das flores. Os tailandeses usam muitas flores naturais todos os dias – especialmente porque as oferendas budistas são cheias delas e são feitas diariamente, as vezes mais de uma ver por dia. Então a feira é linda, colorida e cheirosa.

Templo também é o que não falta, as estimativas são absurdas – dizem que existem mais de 30.000 templos budistas na Tailândia toda e mais de 1.000, pelo menos, na capital. Gostamos muito do Wat Po, um complexo de espaços sagrados na região central. Um lugar super agradável pra passar algumas horas desconectado do caos pra fora dos muros. Ficamos um bom tempo ouvindo os monges recitarem mantras em um dos templos. Uma sensação indescritível.

Alguns mercados flutuantes estão espalhados pela cidade e o maior deles fica há alguns km para o norte. Não fomos nesse porque dizem ser super turístico mas confesso que me arrependi. Tem alguns passeios que de tanta informação e fotos que vemos ficamos com uma expectativa alta e o mercado que escolhemos era tão pequeno que não empolgou tanto quanto imaginei. Mesmo assim a experiência foi legal, é no barco que ficam as cozinhas e não dá pra acreditar no equilíbrio e estômago que os cozinheiros tem.

A Kao San Road é tão maluca quanto mostram os filmes, se você viu ‘Se Beber Não Case 2’ consegue imaginar. Ela funciona 24h por dia, é cheia de bar e estrangeiro bêbado, dá pra comprar sem pudores documentos falsificados, braceletes com frases ridículas, dá pra fazer tatuagem, comprar roupas e lembrancinhas, e ficar zonzo com tantos letreiros e barulho ao redor. Uma experiência tanto curiosa quanto desnecessária.

Bangkok é tanta coisa ao mesmo tempo que dá pra entender porque tanta gente ama e tanta gente não suporta. A gente gostou, pelo menos por um tempinho.

Continue Reading